AUTISMO E LSD-25 - PESQUISA DA DÉCADA DE 60 E SUA VALIDADE ATUAL


autism_f_600x250

Autismo e LSD-25

 
Libertando mentes aprisionadas?
Pesquisa da década de 60 sobre LSD e Autismo
Traduzido do original de Robin Rymarczukem erowid.org
No início dos anos sessenta, uma série de investigações clínicas controversas foram publicadas envolvendo a administração de LSD-25 (dietilamida do ácido lisérgico) para crianças pequenas diagnosticadas com formas graves de autismo ou esquizofrenia de início na infância (COS em inglês), que eram então consideradas intimamente relacionadas [1]. O motivo para a realização de estudos com crianças pequenas foi a semelhança entre o autismo e o suposto COS. Seguindo na direção dos resultados aparentes de estudos realizados com pacientes adultos catatônicos e mudos, tratados com LSD-25 por Cholden, Kurland, e Savage (1955), as hipóteses foram construídas para pesquisar uma possível utilidade terapêutica. “O objetivo desses esforços terapêuticos”, como disse Bender em um artigo publicado em Avanços Recentes em Psiquiatria Biológica (1962), “tem sido a de modificar a sintomatologia secundária associada ao comportamento deficiente, regressivo e perturbado de crianças”. A maior parte das crianças tratadas com LSD nestes estudos tinham entre seis e dez anos de idade e eram completamente indiferentes a todas as outras formas de tratamento. O fato de que as crianças não poderiam ser tratadas por outros meios serviu, em parte, para a justificação da utilização de uma poderosa substância psicoativa em experiências infantis. Certamente esta decisão teria sido criticada pela comissão ética hoje.
lsdA intervenção farmacológica por meio do LSD era na intenção de dito para “cutucar a maturação atrasada” (Bender, 1962) em um padrão de desenvolvimento (relativamente) normal. Como exatamente a administração de LSD iria realizar a “libertação das mentes aprisionadas” ainda era desconhecido (Mogar & Aldrich, 1969). Do LSD era esperado o seu sucesso em “romper os bloqueios do autista” (Bender, 1963), e desta forma ser excepcionalmente útil em “áreas que estão intimamente relacionados com o processo de psicoterapia” (Simmons et al., 1966). Alguns acreditavam que o LSD era especialmente útil para ajudar os pacientes a “desbloquear” o material subconsciente reprimido através de outros métodos psicoterapêuticos (Cohen, 1959). Terapeutas tomaram LSD para estabelecer uma conexão com a experiência de esquizofrenia. “Durante a fase de”modelo de psicose” da pesquisa LSD quando o estado psicodélico foi considerado uma ‘esquizofrenia’ quimicamente induzida”, diz o pesquisador pioneiro do LSD Stanislav Grof (1980), “sessões de LSD foram recomendados como viagens reversíveis para o mundo experiencial de psicóticos que tiveram um significado didático exclusivo “.
Alguns pesquisadores, como Freedman et al. (1963), estudavam o LSD por suas supostas propriedades psicotomiméticas, significando que a droga imitasse os sintomas de psicose, incluindo delírios e/ou delusões, ao contrário de apenas alucinações (Sewell et al., 2009). Uma exacerbação dos sintomas “típicos” significava uma oportunidade para estudar a condição esquizofrênica (em crianças). Outros pesquisadores (Bender et al, 1963;.. Rolo, et al, 1965), consideravam o mecanismo neurológico por trás do efeito de LSD, que na época ainda eram muito obscuro, como mais importante do que seu papel de facilitador do processo terapêutico. Por exemplo, o LSD atraiu interesse teórico como um inibidor da serotonina e um estimulante do sistema nervoso autônomo. Bender et al. (1963) concluiu que “LSD-25 administrado diariamente em doses orais de 100 mcg [2] para crianças (na pré puberdade) autistas esquizofrênicos parecia ser um estimulante eficaz do sistema nervoso autônomo e central”, e que essas mudanças “pareciam ser crônicas com administração contínua da substância”. A administração contínua consistia na administração diária ao longo de períodos prolongados de tempo, variando de dias a várias semanas. Os efeitos mais persistentes da terapia com LSD-25 que foram publicados incluíam comportamento de melhora na fala, o aumento da capacidade de resposta emocional, o humor positivo (risos), e uma diminuição de compulsões.
maxresdefault
Os velhos resultados estão, em maior parte, inválidos
Mas, infelizmente, por mais interessante e atraente que estes resultados pareciam ser – a evidência não colou. Estudos atuais sobre a relação de LSD e autismo não estão sendo realizados e os resultados antigos que foram produzidos são considerados como altamente controversos, se não são completamente repudiados. Isso foi em parte porque, em retrospecto, os estudos eram muito falhos. Os pesquisadores pareciam querer se livrar da controvérsia conceitual muito rapidamente, escolhendo “não lidar com as questões polêmicas relativas às definições e fatores etiológicos da esquizofrenia infantil (1) ou o padrão de reação autista (2)” (Bender et al., 1962). O debate sobre o lugar correto do diagnóstico de autismo (infantil) no DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) continua a ser problemático até o dia de hoje (DSM-V), mas o autismo tem saído debaixo do guarda-chuva da esquizofrenia. Embora ambos os transtornos compartilhem características clínicas, psicólogos e psiquiatras consideram o autismo como uma entidade separada da esquizofrenia. E porque LSD fora usado como uma droga para “intensificar a pré-existente sintomatologia” da esquizofrenia (Bender et al., 1962), um destacamento conceitual de autismo teria perturbado o fundamento dos resultados.
Autism-Research-and-EducationMesmo que os investigadores tivessem escolhido ‘lidar com a controvérsia “, em retrospectiva, a amostragem teria sido ainda mais problemática. As crianças tratadas eram demograficamente variadas e de ampla faixa etária. Uma significância conflitante é dada à relação entre a idade e a resposta à substância, mas Bender observou que “em contraste com pré-adolescentes, crianças mais jovens manifestaram consistentemente diferentes reações” (1962). Em contraste, Fisher e Castela concluiram que “as crianças mais velhas eram melhores candidatos para terapia psicodélica, pois a comunicação verbal era possível e também porque elas tendiam a ser menos “afastados”, mais esquizofrênicos que autistas, e a exibir sintomatologia mais flagrante” (Mogar & Aldrich, 1969) . Além da idade, também os sintomas das crianças tratadas foram heterogêneos e não foram corrigidos severamente. Não houve randomização, e a maioria dos estudos sofria de frequência de administração e dosagem flutuante. Por último, o “set & setting” dos experimentos variaram muito.
Apesar das falhas de pesquisa, alguma utilidade pode existir
Embora os estudos realizados na década de sessenta tivessem grandes falhas a partir de um ponto de vista experimental e, portanto, não resistem a uma análise científica, Mogar e Aldrich argumentam, em um artigo publicado na Neuropsiquiatria Comportamental (1969) que os resultados considerados como um todo apontam para uma utilitade em administrar LSD para crianças autistas. “O significado dos resultados aparentemente contraditórios”, dizem Mogar e Aldrich, “tem sido muitas vezes obscurecidos pela busca persistente por reações estáticas específicas sobre LSD”. Este é um ponto interessante; apesar de os resultados não indicarem significância num sentido experimental, poderá haver ainda uma utilidade terapêutica. Mogar e Aldrich relatam que o maior benefício terapêutico estaria relacionada ao “(A) o grau de envolvimento ativo do terapeuta com o paciente; (B) a oportunidade de experimentar objetos significativos e atividades interpessoais, e (C) as configurações adequadas ​​que eram razoavelmente livres de artificialidade, restrições experimentais ou médicas e procedimentos administrados mecanicamente “(1969). Na prática, a terapia clínica está geralmente muito longe de teoria. Poderia ser que, testar LSD, sendo ele próprio uma droga altamente imprevisível, em combinação com a terapia dinâmica é algo muito difícil de substanciar. Mogar e Aldrich concluiram que “a administração de LSD está intrinsecamente inserida em um processo psicossocial maior, que deve ser otimizado de acordo com determinados objetivos do tratamento”.
lsd
Novos estudos usam MDMA em autistas adultos
350MdmaConsiderando o recente crescimento do interesse nessa área de pesquisa, estes estudos mais antigos e bastante obscuros merecem ser escavados a partir da literatura da pesquisa psicodélica. Pesquisadores da LA BioMed (Los Angeles Biomedical Research Institute) estão agora construindo um estudo dito para testar a relação terapêutica anedótica já estabelecida entre MDMA (3,4-metilenodioxi-N-metilamfetamina) e de ansiedade social em adultos autistas. Em contraste com muitos dos pesquisadores oldschool do LSD, esses pesquisadores não estão à procura de uma “cura”, mas procuraram desenvolver uma terapia psicodélica-assistida para reduzir a ansiedade social, auxiliar de uma abordagem de tratamento mais amplo. Ansiedade social reduzida é um dos efeitos mais pronunciados que a população geral de usuários de MDMA relatam e, estes resultados sugerem que ele pode ser extrapolados para os autistas. O estudo é o mais recente de um programa de expansão de pesquisas sobre o uso terapêutico do MDMA financiado pela Associação Multidisciplinar (sem fins lucrativos) para o Estudo de Psicodélicos (MAPS). “Este novo estudo vai nos dar uma chance”, diz Charles Grob principal pesquisador da LA BioMed (2014) “, de determinar os efeitos reais de doses de medicação que sabemos com certeza ser puro MDMA em adultos sob o espectro do autismo. Se os resultados do presente estudo ganharem uma investigação mais aprofundada, os dados poderão ser utilizados para projetar ensaios clínicos adicionais “. Agora que as limitações para investigação sobre a experiência psicodélica e seus efeitos terapêuticos estão sendo removidos e o LSD é mais uma vez um objeto de estudo, estes resultados publicados anteriormente poderiam servir para a produção de novas hipóteses para investigar a terapia psicodélica-assistida.
Notas
  1. (Abramson, 1960; Bender, et al., 1962; Bender, et al., 1963; Fisher & Castile, 1963; Freedman, et al., 1962; Rolo, et al., 1965; Simmons, et al., 1966).
  2. A common psychedelic dosage of LSD ranges from 100 to 200 mcg, a strong dose being 200 to 600 mcg.
Referências
  1. Abramson, H.A. (Ed.) (1960). The Use of LSD in Psychotherapy. New York: Josiah Macy Foundation.
  2. Bender L, Faretra G, Cobrinik L. (1963). LSD and UM-L treatment of hospitalized disturbed children. Recent Advances in Biological Psychiatry, 5, 84-92.
  3. Bender L, Goldschmidt L, Sankar SDV. (1962). Treatment of autistic schizophrenic children with LSD-25 and UML-491. Recent Advances in Biological Psychiatry, 4, 170-177.
  4. Cholden L, Kurland A, Savage C. (1955). Clinical reactions and tolerance to LSD in chronic schizophrenia. Journal of Nervous and Mental Disease, 122, 211-216.
  5. Cohen S, Eisner BG. (1959). Use of lysergic acid diethylamide in a psychotherapeutic setting. AMA Archives of Neurology & Psychiatry, 81(5), 615-619.
  6. Freedman AM, Ebin EV, & Wilson, E.A. (1962). Autistic schizophrenic children: An experiment in the use of d-lysergic acid diethylamide (LSD-25). Archives of General Psychiatry, 6, 203-213.
dany3l
Fonte:http://mundocogumelo.com/2015/02/28/autismo-e-lsd-25/

Postagens mais visitadas deste blog

TEONANÁCATL - COGUMELO SAGRADO,A CARNE DOS DEUSES

TIPOS DE TRANSE : COMPREENDENDO OS ESTADOS ALTERADOS DE CONSCIÊNCIA

AYAHUASCA,O CHÁ DO SANTO DAIME : CHÁ SAGRADO OU DROGA ALUCINÓGENA ?