A CURA ATRAVÉS DA CONSCIÊNCIA - COMPREENDENDO A DOENÇA COMO UMA PROJEÇÃO DA CONSCIÊNCIA NO CORPO FÍSICO E EMOCIONAL(CORPOS SUTIS)

Resultado de imagem para O corpo humano é uma projeção da consciência

O corpo humano é uma projeção da consciência

Maiana Lena
Gradativamente estamos aderindo a fontes de percepção totalmente inacessíveis à nossa  compreensão até o presente momento. Somos resultados de fontes criadoras com as quais mantemos um elo divino permanente que nos direciona a um propósito maior nas esferas inferiores da consciência. Como a esfera material obstrui parte da nossa consciência espiritual, funcionando o corpo mental como atuante desta dimensão tridimensional, regemo-nos pelo que analisamos e percebemos ao nosso redor. O plano terreno há muito se prepara para dar o salto quântico trazendo profunda reformulação de conceitos mantidos por crenças limitadoras da consciência de quem realmente somos como essência co-criadoras.
O conhecimento vem neste novo tempo dar luz a todos aqueles que se mantêm “acordados” trazendo a verdade como percepção revelada aos que se mostrarem prontos para agregarem à sua real natureza divina. Como seres co-criadores que somos, também atuamos como parte da nossa própria criação a cada renascimento, escolhendo o tipo de experiência que iremos vivenciar visando o nosso aprendizado, sendo assistidos pela essência monádica a que estamos ligados, sendo nós a sua projeção no mundo das formas. A cada experiência tridimensional, projetamos o corpo a que iremos usar com todos os seus atributos, incluindo vantagens e desvantagens. Atrelados ao nível de consciência que viemos trazendo de várias experiências nas esferas tridimensionais, criamos o corpo que melhor se adeque à nova experiência da vida manifestada. Entretanto, conforme o nível de consciência mental a que vamos aderindo por muitas vidas e das crenças limitantes que vamos agregando como a nossa verdade, podemos limitar nossas reencarnações em vidas de sofrimento e dor. Isso também inclui as diversas manifestações que estamos experienciando paralelamente a esta experiência.
Nossa parcela de alma co-criadora, podendo assim ser denominada, projeta holograficamente a cada experiência interdimensional pré-escolhida o corpo a que melhor irá responder ao seu aprendizado. Sendo nós os próprios co-criadores do nosso corpo físico, a cada emanação de vida temos influência direta sobre o nosso campo energético e, consequentemente, sobre a nossa constituição celular. O corpo humano é constituído por trilhões de células, compostas por octilhões de átomos, que se estruturam de forma altamente organizada, em tecidos e órgãos. Como co-criadores do nosso campo energético, temos frequência direta sobre o nosso corpo celular e os nossos corpos sutis podendo operar a restauração celular a qualquer momento e fase de nossas vidas. As células não envelhecem. A crença que as moléculas envelhecem é o que nos coloca nos limites da consciência tridimensional. O que nos faz crer no envelhecimento e na doença são os padrões mentais agregados às crenças limitadoras de que o nosso corpo precisa envelhecer e adoecer. Tudo aqui é uma questão de frequência vibracional e também das crenças limitadoras presentes em nosso corpo mental que vibram simultaneamente em vários níveis de consciência. Para que possamos sair das frequências do nosso corpo mental e fluir na frequência da nossa divina presença Eu Sou, precisamos dar início a um processo de limpeza destes padrões cármicos agregados à nossa consciência e que vem se estendendo há muitas encarnações e nos deixarmos “ser” e repousar na consciencia que é a nossa real natureza.. É um processo único e que precisamos realizar em silêncio e requer persistência e coragem. Todo lixo agregado ao nosso corpo mental pelas crenças limitadoras a que nos vinculamos há milhares de vidas nos impede de frequenciar a essência da nossa real natureza, o que nos coloca à mercê de todo tipo de frequência vinculada ao mundo em que vivemos, seja em nível pessoal e/ou coletivo. Isso faz o nosso corpo gerar doenças e consequentemente envelhecer.
Mudar o nosso padrão de consciência é o nosso grande desafio e se faz necessário que o façamos agora. Muitos ainda estão envolvidos tão profundamente pelo corpo mental e, consequentemente, pelas vibrações da mente egóica que dificilmente alcançarão este patamar de experiência nesta fração de vida o que o farão no tempo do seu acordar. Todos somos dotados de co-criação o que não nos vincula ao processo evolutivo em que nos encontramos. O que diferencia aqui é o nível de atuação mental em que cada um se encontra. Quanto mais vinculados ao corpo mental e agregados a crenças limitantes, mais desconectados da nossa essência criadora nos encontraremos. Isso nos colocará na busca desenfreada de alicerces em nível material na conservação do corpo da beleza e da cura de doenças. Todo processo de cura está latente dentro de cada um de nós. O grande desafio aqui é “olhe e veja quem verdadeiramente você é: o criador da sua própria essência de vida”.
Que a paz do Grande Espírito faça morada em nós!
Maiana Lena

Compreendendo a Doença


Maiana Lena

Luz e escuridão fazem parte da dualidade terrena. Tanto a luz quanto a escuridão transportam ensinamentos dentro delas. Viver na dualidade é também o propósito da vida terrena para conhecer e respeitar esses opostos que ocorrem tanto em nós mesmos como no mundo. Do ponto de vista da unidade, o que transcende a dualidade da vida terrena, não há conflito entre a luz e a escuridão; ambas fazem parte do caminho evolutivo o que nos cabe apenas é encontrar o equilíbrio entre estes dois opostos nos parâmetros da terceira dimensão.
Nos parâmetros tridimensionais a escuridão está ainda agregada ao vínculo do corpo físico e emocional onde a expressão de vida vivencia sentimentos de dor, sofrimento, solidão, confusão, alegria, felicidade e êxtase só possíveis de experimentar nos padrões tridimensionais da consciência. A par destas percepções também vivenciamos a luz como lembrança de que somos luz e que tudo na verdade faz parte de uma experiência valiosa que estamos vivenciando no fluxo da dualidade. Aceitar este fluxo contínuo e natural à realidade terrena torna a vida muito mais leve.
Muitas vezes relutamos com a experiência da dor desejando retornar ao ponto de luz o mais rápido possível. E nesta resistência á escuridão desejando que a luz se estabeleça a dualidade se estabelece. O bem e o mal se tornam antônimos e a oposição cria a dualidade que inexiste a nível superior onde buscamos através do nosso processo evolutivo alcançar esta compreensão. Tanto a luz quando a escuridão ensejam grandes ensinamentos. Na luz aprendemos que ainda somos imperfeitos para manter esta frequencia dimensional por determinado tempo sem nos desestabilizarmos nos padrões da frequencia inferior. Na escuridão aprendemos a resgatar o nosso poder aprimorando nossos potencias de acertar, criar e corrigir falhas substancias em nossas experiências de vida, crescendo em força e autoconsciência. A evolução da alma é dependente do conhecimento da escuridão, para que possa trabalhar em conjunto com ela e transformá-la. O aprimoramento do espírito na dualidade vem desta transformação onde então o equilíbrio entre os opostos pode ser encontrado.
Este processo fica visível quando estamos lidando com a doença. Os sintomas físicos nos obrigam a mergulhar na escuridão tendo em vista que a doença agrega emoções reprimidas e não externadas por determinado período de tempo ou vidas consecutivas. As emoções não externadas nos fazem mergulhar através da dor o processo que precisa ser acolhido e trabalhado tendo em vista de ter sido reprimido por um longo período de tempo. Neste processo também se enquadra as doenças de origem kármica gerando processo de culpa e medo em nível de consciência onde a alma necessita equilibrar para que possa retornar ao seu caminho evolutivo.
Busque olhar mais profundamente para a doença, suprima todos os julgamentos sobre maus e bons, que são realmente prejudiciais para o exame interno: a exploração de si mesmo. Toda doença mostra o caminho da cura. Com a doença a cura está se operando. O que você precisa fazer é ouvir o seu interior e trabalhar suas necessidades internas. A cura é o resultado final de um processo interno, é a dinâmica entre repressão e querer ser visto, e essa dinâmica torna-se conhecida através do corpo.
Veja o seu corpo como um instrumento de amor. Não use seu campo mental que está munido de julgamentos sobre o bem e o mal para julgar o seu corpo. O corpo é resultado do milagre da vida. Ele é resultado da sua oportunidade de estar aqui e desfrutar da oportunidade de se tornar um ser melhor. Neste sentido, o corpo é o instrumento mais puro à sua disposição no aqui e agora. O corpo é seu padrão de energia que mantém você nesta dimensão. Ele é sagrado. Sinta o campo vivo que é o seu corpo e se conecte com ele. Respire e relaxe. Fale com o seu corpo e busque o que ele necessita. Ele representa os ensejos e as necessidades da sua alma. Ele é sua conexão com sua essência superior. Sua alma está presente neste campo. O que desconecta você deste campo são os vossos pensamentos, que separam e julgam. Deixe de lado isso agora, acolhendo-se. Diga sim para o seu corpo. Ele representa o milagre da vida através de você. Cuide dele. Ame-o. Conecte seu corpo a energia da Terra. O poder do suporte nutritivo da Mãe Terra ajuda você a se conectar com seu campo de energia existencial onde então você se reconhece sem julgamento sem medo. A Terra e seu corpo são indissociáveis porque eles são da mesma natureza; eles trabalham a partir do mesmo dinamismo, da mesma sabedoria.
A Terra sabe instintivamente o que você precisa para curar, tanto física como no nível emocional. Ela o conecta com a sua essência divina e com seu Eu Superior. Receba a sua força agora, e esteja aberto para a força da Terra dentro de seu corpo.
Este é o caminho para você se conectar com a energia de uma doença; tornar-se livre de julgamentos e voltar para dentro de si mesmo. Voltar para casa.
Para compreender a doença é necessário compreender a si mesmo. Diga sim as queixas do seu corpo. Cuide desta parte de si mesmo. Deixe fluir para fora de você o que necessita de atenção. Se você sentir dor pergunte a seu corpo a que esta dor está relacionada e deixe esta dor sair. O que está saindo é uma energia emocional por ter sido reprimida. Pergunte agora onde a repressão está ocorrendo em seu corpo. Deixe o corpo falar com você; ele quer falar com você, para lhe dar sugestões, para que você possa ver alguma coisa. Permita que a consciência e a luz fluam para a parte do seu corpo que sofreu com a repressão. Faça isso sempre que sentir seu corpo em desarmonia e mesmo se não tiver êxito, inicialmente, faça tudo de novo quando você estiver sozinho e em um estado relaxado.
Não apresse o processo. Para o processo de cura se processar será necessário que você faça a conexão com o seu corpo. Para recuperar a conexão intuitiva com o seu corpo, é necessário que você se curve para si mesmo em um estado de quietude e não julgamento.
Diga sim ao milagre da vida que você é. Diga sim a vida.
Maiana Lena – Terapeuta Energética Multidimensional

A cura através da consciência


Maiana Lena
A doença é a grande oportunidade dos seres humanos de encontrarem o seu bem maior. A doença é o nosso mestre interno indicando o caminho da cura. Nosso corpo é o espelho da nossa alma. Ele nos mostra o que a alma não pode reconhecer mais de sua reflexão. O que se encontra em desequilíbrio com a nossa essência divina se manifesta em dor. Tudo o que não se manifesta em luz dentro de nós se manifestará em sombra. Somos partículas da consciência fragmentada atuando em um corpo físico tridimensional e dentro deste contexto não nos encontramos em uma zona de conforto. Nos alimentados de fragmentos da matéria tridimensional densificada e isso na grande maioria das vezes desfragmenta o contato com o nosso corpo de luz. Neste contexto o homem passa a se identificar com o corpo material e perde temporariamente o contato com o seu corpo de luz que é a sua real natureza o qual se encontra fragmentado em outra realidade mais sutil.
 Somos energia em essência e fragmentos da consciência universal atuando nos limites da  tridimensionalidade. O ser humano é um microcosmo que transporta latente em sua consciência todos os princípios do macrocosmo. O grande desafio de todos os fragmentos de alma em realidades tridimensionais é a identificação  com os aspectos sombrios desta realidade. A consciência se limita dentro dos limites do corpo físico e dos domínios da tridimensionalidade com todos os desafios a nível físico e psíquico pertinente a esta frequência dimensional. Dentro dos parâmetros tridimensionais nos colocamos diretamente nas influencias de toda frequência que vibra nesta faixa dimensional incluindo a frequência de extraterrenos que se alimentam do desequilíbrio da grande maioria dos seres  encarnados nestas esferas de vida.  Como fragmentos de alma estamos conectados simultaneamente com todos os nossos fragmentos de alma desfragmentados em vários espaços dimensionais dentro do contexto  da primeira até a décima segunda dimensão e neste contexto estaremos vibrando com as frequências a que mais alimentarmos sejam elas inferiores ou superiores.
Como fragmentos da energia universal somos parte da consciência fragmentada atuando em um nível tridimensional onde contemos o potencial de cura latente em nosso dna podendo atuar para curar todas as áreas da nossa vida incluindo o nosso corpo físico. Para atuar com sucesso neste objetivo é necessário resgatar a nossa unicidade como partículas divinas despersonalizadas e atuar como energia amorosa em potencial seja com relação a nós mesmo seja com relação a todos os seres. A doença é a resposta do desequilíbrio em que nos encontramos em nível dimensional seja nesta fração de vida aqui encarnada seja em nossas frações de vidas atuando em outras realidades e com as quais mantemos frequência em decorrência de tudo estar correlacionado.  Quando o desequilíbrio no corpo físico ocorre em decorrência da ressonância de outras realidades é necessário trabalhar e curar estes padrões repetitivos para que possamos encontrar aqui o equilíbrio almejado.
Não há dúvidas que tudo seria mais fácil se tivéssemos acesso a todo o  potencial energético da nossa constituição monádica. Há inúmeras teorias atribuídas ao porque dos 12 filamentos do nosso dna não estarem ativados. Não temos acesso ao nosso  dna porque não estamos em um corpo e em uma expansão de consciência que permite fazê-lo. Como dar o potencial da luz a alguém que não saberá usá-lo e nem comportar tal vibração? A medida em que o campo da consciência se expande e se conecta com suas frações superiores o dna será ativado e potencializado a esta nova frequência como uma consequência natural da luz que se propaga ao ser aceita.
A consciência como essência da vida atua em si mesma sem qualquer mecanismo mental. A consciência não atua com a mente. A consciência atua com a alma. Ela apenas é. Quando você desejar criar milagres em sua vida apenas visualize a situação e deixe a consciência plasmar ali a essência da vida que é imanente desta energia criadora. Mas para que a consciência da vida possa atuar em você é necessário criar um ambiente propício em que ela possa atuar em sua real natureza que é a divina. A consciência não se cria em um ambiente inóspito e arredio. A consciência é acordada em um ambiente onde o divino se comunica como sua linguagem natural e ali prospera tendo em vista que tudo se edifica na luz.
A doença é criada pela consciência limitada  a tridimensionalidade onde ela não atua em seu estado operandi que é a luz. O corpo físico é mortal, mas podemos ativar a nossa vibração para o nosso corpo de luz  operando em nossa consciência superior mesmo estando vinculados a um corpo físico/material. Quando não vivemos o nosso corpo de luz vivemos o nosso lado sombra onde então a doença se estabelece como resultado de uma frequência contrária a nossa real natureza. No entanto, a doença não é um obstáculo que fica no caminho, a doença é a maneira pela qual o indivíduo passa para a cura. O propósito não é combater a doença, mas servi-la; para conseguir isso, precisamos expandir a nossa consciência.
A sombra faz com que a doença enfrente a cura. Esta é a chave para compreender a doença e se você não o fizer estará vinculado a frequência da sombra que gerou a enfermidade até que possa acender sua real natureza que é luz e não sombra.  Um sintoma é sempre uma parte da sombra que foi introduzida no campo da consciência.  O sintoma é apenas a manifestação do que está faltando ao indivíduo e do que ele não quer experimentar conscientemente. O sintoma usa o corpo para que a plenitude seja reintegrada ao ser humano. É o princípio da complementaridade, que em última análise, impede o ser humano de deixar de ser saudável. Se uma pessoa se recusa a assumir conscientemente um princípio, este princípio é introduzido no corpo e se manifesta como um sintoma.
A doença faz com que as pessoas descubram as profundezas da alma que permaneceram ocultas. A experiência na tridimensionalidade e o grande desafio é  atuar como essência unificada na missão de ser luz. Quando o ser encarnado em dimensões tridimensionais não desenvolve naturalmente sua unicidade a doença desfaz todos os preconceitos e restaura o ser humano no centro do equilíbrio. Então, abruptamente, o ego esvazia as pretensões do poder abandonando o mundo das ilusões.
Em suma: o ser humano como um microcosmo é uma réplica do universo e contém latente em sua consciência a soma de todos os princípios do ser. Portanto primeiro o homem deve descer para a polaridade do mundo material, matéria, doença, pecado e culpa, para encontrar no meio da noite escura da alma e do sofrimento mais profundo, à luz dos conhecimentos que lhe permite ver o seu caminho através de sofrimento e dor como um ato significativo que irá ajudá-lo a descobrir onde ele sempre esteve: na unidade.
Eu Sou Maiana lena, consciência unificada na missão de servir a luz!

Fonte:http://www.maianalena.com.br/artigo/2016/04/06/compreendendo-a-doenca-2/

Postagens mais visitadas deste blog

TEONANÁCATL - COGUMELO SAGRADO,A CARNE DOS DEUSES

TIPOS DE TRANSE : COMPREENDENDO OS ESTADOS ALTERADOS DE CONSCIÊNCIA

AYAHUASCA,O CHÁ DO SANTO DAIME : CHÁ SAGRADO OU DROGA ALUCINÓGENA ?