ABRINDO AS PORTAS DA PERCEPÇÃO - JAMES FADIMAN


  Élise Carpentier

Abrindo as Portas da Percepção – James Fadiman



Taduzido do original de James Fadiman
fadiman
James Fadiman
A data é no início de 1966. Quatro de nós estão sentados em torno de uma mesa, chamados para fora da sala de sessão por um momento para responder ao conteúdo de uma carta de entrega especial. De volta ao quarto, quatro homens estão deitados em sofás e almofadas, de óculos escuros para bloquear a luz do dia, ouvindo um quarteto de cordas de Beethoven em fones de ouvido estéreo. Cada homem, um cientista sênior, havia tomado 25 microgramas de LSD-25 – uma dose muito baixa – cerca duas horas antes. Dois desses homens estão trabalhando em projetos diferentes para o Instituto de Pesquisa de Stanford, outro para a Hewlett Packard, e o último é um arquiteto. Eles são altamente qualificados, altamente respeitados e altamente motivados para resolver problemas técnicos. Cada um deles trouxe a esta sessão vários problemas que ele têm encontrado nos seus trabalhos, pelo menos nos últimos três meses e tinham sido incapazes de resolver. Nenhum deles tinha qualquer experiência anterior com psicodélicos. Nas próximas duas horas, o plano é levantar seus óculos de sol, tirar seus fones de ouvido, desligar a música, e oferecer-lhes tira-gostos e salgadinhos, que eles provavelmente nem vão tocar. Vamos ajudá-los a concentrar-se nos problemas que eles vieram para resolver. Eles são o quinto ou sexto grupo que temos realizado. O governo federal aprovou este estudo. É um uso experimental de uma “nova droga”, uma droga ainda em análise e não comercialmente disponível.
Em 1966, havia cerca de 60 projetos em todo o país investigando ativamente LSD-25. Alguns eram estudos terapêuticos: um na UCLA mostrou notável sucesso permitindo que crianças autistas se comunicassem novamente; outros estavam trabalhando com animais de macacos a ratos, de peixes até mesmo insetos.
Spider-Webs
Teias feitas por aranhas sob efeito do LSD, Mescalina, Haxixe e Cafeína
Sobre as aranhas, descobriu-se que faziam arquiteturas radicalmente diferentes de teia quando dado diferentes psicodélicos. Um ou dois anos antes tinha havido uma experiência desastrosa quando psiquiatra Jolly West deu a um elefante uma dose de LSD suficiente, é justo dizer, para matar um elefante. E matou. A dose foi de centenas de milhares de vezes maior do que qualquer ser humano já tinha tomado nem sequer tomaria. Uma breve repercussão midiática deste caso na mídia não pareceu parar a investigação e as pesquisas em curso em todo o mundo. A Sandoz Farmacêutica em Basel na Suíça, o desenvolvedor do LSD- 25, tinha feito recentemente resumos disponíveis dos primeiros 1000 estudos humanos. LSD-25 foi a droga psicoativa mais estudados no mundo. Era notável em duas maneiras. Uma delas, que era eficaz em doses muito baixas, microgramas (milionésimos de grama). Isso a tornava uma das substâncias conhecidas mais potentes já descobertos. Dois, ele parecia ter o efeito de mudar radicalmente a percepção, a consciência, e a cognição, mas não de qualquer maneira previsível. Estes resultados parecem ser dependente não só dos efeitos da substância, mas igualmente da situação do sujeito – o que lhes havia sido dito sobre a droga que estavam indo experimentar e, ainda mais interessante para a ciência, a mentalidade de pesquisador, se ela comunicou ou não um ponto de vista para os sujeitos em determinado estudo.
first-lucid-dreamEm resumo, tínhamos aqui uma substância cujos efeitos dependiam, em parte, das expectativas mentais de ambos, sujeito e pesquisador. Muitas vezes as pessoas nos estudos tiveram experiências que pareciam ser profundamente terapêuticas, abençoadas, transformadoras, de conteúdo religioso ou místico, mas eles também podiam ter experiências que eram profundamente perturbadoras, confusas ou aterrorizantes. Os efeitos posteriores da experiência pareciam mais com um aprendizado do que simplesmente a passagem de um produto químico através do cérebro e do corpo. O LSD era o gênio da garrafa e havia garrafas do mesmo em todo o país e um número crescente fora laboratórios e instituições de pesquisa também.
Quando a carta especial da FDA (Food and Drug Administration) chegou, nenhum de nós sabia ainda que muitas das primeiras conferências de pesquisadores do LSD tinham sido patrocinadas por fundações que foram secretamente financiadas pela CIA, ou que o Exército dos Estados Unidos vinha dando substâncias psicoativas aos membros corajosos do corpo militar, prisioneiros, até mesmo alguns dos seus próprios funcionários. Também não sabíamos que cada projeto no país, exceto aqueles executados pelas agências militares ou de inteligência, tinham recebido uma carta semelhante, no mesmo dia. Sentado em Menlo Park, nos escritórios da Fundação Internacional de Estudos Avançados, nós quatro, mais uma pequena equipe de apoio estávamos executando o único estudo projetado para testar a hipótese de que esse material pode melhorar o funcionamento do racional e as partes analíticas da mente . Estávamos tentando descobrir se, em vez de ser desviado para a paisagem interior incrível de cores e formas ou nas aventuras de exploração mística ou terror psicopatológico, LSD-25 poderia ser usado para melhorar a criatividade pessoal de uma forma que pudesse ser medida.
Houve uma série de estudos de muito sucesso no Canadá que mostraram que, o LSD administrado em um ambiente seguro e com apoio, levou a uma alta taxa de abandono da bebida em alcoólatras de longo prazo ». Outros estudos realizados no sul da Califórnia, por Oscar Janniger, mostraram que o trabalho dos artistas mudou radicalmente durante uma sessão de LSD e muitas vezes foi alterado de forma permanente. No entanto, havia muita discussão no mundo da arte e o mundo da ciência, se essa arte era de fato “melhor”.
Kunstlerblog.com
Nossa equipe queria ver se um outro aspecto da criatividade – técnica de resolução de problemas – poderia ser ajudado pelo uso desses agentes.
A resposta, até agora, em nosso estudo foi um sonoro “sim”. Ficamos espantados, assim como nossos participantes, como muitas novas e eficazes soluções surgiram de nossas sessões. As empresas clientes e instituições de pesquisa ficaram satisfeitas com os resultados (se não totalmente informadas de como eles ocorreram). Outros membros de grupos de pesquisa, uma cujos membros tinham trabalhado com a gente, estavam pedindo para serem incluídos no estudo. Foi um momento profundamente gratificante.
A carta da FDA foi breve. Nos informou que ao momento da recepção da presente carta, a nossa permissão de uso desses materiais, o nosso protocolo de pesquisa, e nossa habilitação para trabalhar com estes materiais de qualquer forma, ou método foi encerrada.
Eu era, de longe, o mais novo membro da equipe de pesquisa, um estudante de pós-graduação na Universidade de Stanford em um departamento de psicologia que não tinha me informado sobre esta pesquisa. Dois dos outros eram professores catedráticos de engenharia na Universidade de Stanford em dois departamentos diferentes, e o quarto foi o fundador e diretor da fundação, um cientista em seu próprio direito de se aposentar cedo e criar um instituto sem fins lucrativos, para entender melhor a interação entre a consciência, as profundas experiências pessoais e espirituais, e estas substâncias.
Human hand with medicine pill. Horizontal.Muito em breve teríamos de voltar para aquela sala onde os quatro homens estavam, literalmente, com suas mentes em expansão. Eu disse: “Eu acho que nós precisamos concordar que recebemos esta carta amanhã.” E Voltamos para os nossos assuntos, que agora eram o último grupo de pessoas que seria permitido o privilégio de trabalhar com estes materiais sob sua livre escolha, com o apoio legal e supervisão do governo legal, pelo menos pelos próximos 40 anos.
Um exemplo dos tipos de resultados que estávamos vendo, veio da última sessão. O arquiteto trabalhava um projeto para construir um pequeno centro comercial. O cliente não tinha gostado de seus projetos anteriores e ele estava de mãos atadas. Na sessão, ele viu o projeto, concluído, e sua mente era capaz não apenas de imaginar isso, mas de andar dentro dele, para ver o tamanho e formas de parafusos, para contar o número de lugares de estacionamento, etc. O design ele elaborou foi aprovado pelo seu cliente e ele passou as próximas semanas fazendo os desenhos que correspondiam ao projeto que ele já tinha visto em seu estado final.
Como eu cheguei a estar naquela sala da Fundação Internacional de Estudos Avançados, quando apenas alguns anos antes eu tinha sido um escritor, vivendo em Paris no sexto andar (de escadas), vivendo com tão pouco quanto possível, dormindo nas estações de trem e albergues quando viajava e ficando com quem quiser me abrigar e alimentar? Como foi dito de muitas das nossas vidas, foi uma longa e estranha viagem.
O que me enviou de Paris para Stanford e de cabeça para a pesquisa psicodélica não foi apenas uma visita de meu professor da faculdade favorito, Richard Alpert (mais tarde conhecido como Ram Dass) e seu amigo, Timothy Leary, mas também uma nota cordial do Serviço de Alistamento perguntando sobre meu paradeiro. Percebi que havia uma M-1 me esperando para abraçá-la, e meus cotovelos rastejavam na lama e vegetação úmida no Vietnã enquanto projéteis e balas estavam sendo disparados em ambos os sentidos, me dando a chance de morrer por fogo inimigo ou amigo. Na minha mente, nenhuma dessas escolhas fazia sentido, então voltei para os Estados Unidos, para o abrigo do projeto de adiamento da pós-graduação.
Para o bem dos militares e para a nação, eu estava seguro, e ainda estou, de que me manter fora foi a melhor alternativa. Quando você tem um longa histórico no ensino fundamental e do ensino médio de ser escolhido por último para esportes de equipe, não pense que você vai prosperar na infantaria, e muito menos despertará maior aptidão e competência necessária no combate real. Eu vi minha parceria com o governo em estudar a psicologia. Era melhor para os militares manter-me para fora do que lidar com quaisquer riscos potenciais para os outros e para mim.
Por que eu mergulhado em pesquisa psicodélica, no entanto, teve início com a visita de Alpert e a primeira noite que gastamos juntos.
Richard Alpert (Ram Dass)
Richard Alpert (Ram Dass)
Paris, 1961. Estou sentado à noite, em um café no Boulevard St. Michael, observando todas as pessoas que por sua vez, me observam de volta. Tenho vinte e um e acabei de tomar psilocibina, pela primeira vez, e eu não tenho nenhuma idéia o que é ou faz, mas eu sei que o homem sentado ao meu lado é meu professor favorito, Dr. Richard Alpert, que me deu a substância como um presente. As cores estão ficando mais brilhantes, os olhos das pessoas estão piscando em luz quando eles olham para mim, há um ruído dentro de mim como uma transmissão multi-canal. Eu digo, tão regularmente quanto a minha voz trêmula permite, “É um pouco demais para mim.” Richard Alpert sorri para mim do outro lado da pequena mesa de vidro redonda. “Pra mim também, e eu não tomei nada.
Voltamos para o meu apartamento a poucos quarteirões de distância. O hotel exibe uma placa ao lado da porta da frente que diz que Freud se hospedou ali. Eu estou escrevendo um romance e, por vezes imagino que, no futuro, eles vão adicionar uma segunda placa ali. Mas não esta noite.
Deito-me na minha cama, Alpert toma uma cadeira . (Que consome o espaço da sala.) Eu vejo minha mente descobrindo novos aspectos de si mesma. Alpert continua me dizendo que tudo o que minha mente está fazendo é seguro e que tudo está bem. Parte de mim não tem certeza sobre o que ele está falando, outra parte sabe o quão profundamente certo ele está, uma outra parte de mim espera que ele esteja.
Richard Alpert (Ram Dass) e Timothy Leary
Richard Alpert e Timothy Leary
Uma semana depois, eu deixei Paris e segui Alpert e Leary para Amsterdã, onde eles se juntaram Aldous Huxley para apresentar em conjunto um artigo para um congresso internacional. Leary e Alpert estavam trabalhando juntos ensinando psicologia em Harvard e já estavam em meio a polêmica sobre dar psicodélicos para estudantes de graduação e de outros membros da comunidade acadêmica. Seis semanas após a sua conferência, eu estava voando para a Califórnia para começar o trabalho de pós-graduação em psicologia.
Quando estava na Universidade de Stanford, eu tinha três vidas. Na primeira vida, eu usava um casaco esporte e gravata, e eu tinha que comparecer todos os dias no departamento de psicologia, visivelmente um estudante fazendo o que podia para aprender com os lábios dos mestres. Na minha segunda vida, dois dias por semana, eu era um assistente de pesquisa na Fundação Internacional de Estudos Avançados (extra campus). Lá eu participei de um dia inteiro, de sessões terapêuticas (legais) de alta dosagem de LSD. Cada participante tinha, pelo menos, duas pessoas que auxiliavam em sua experiência durante o dia. Um homem e uma mulher ficaram com cada participante (energia masculina e feminina parecia útil), além disso, havia um médico que participava da sessão de vez em quando, e estava lá, se necessário. Não me lembro quando nós tivemos quaisquer necessidades médicas, mas isso agregava ao sentimento de total apoio e confiança que fazia as sessões de LSD mais benéficas. Além disso, um psicanalista freudiano se reunia com cada cliente na primeira vez que ele ou ela se oferecesse para o nosso programa, para determinar quais pessoas selecionadas estavam mais susceptíveis a se beneficiar e quais mais prováveis de terem problemas que iriam além da sua capacidade de lidar. Dada postura arisca do governo na época, o analista nos disse que precisávamos de ter perto de uma taxa de cura de 100%, algo que não era alcançado por qualquer outra terapia. Minha terceira vida foi gasta com as pessoas que giravam em torno de Ken Kesey. Eles usavam psicodélicos de todos os tipos, assim como estimulantes, calmantes, maconha, até mesmo álcool e cigarros. Um membro trabalhava para uma cadeia farmacêutica e chegava em qualquer evento com os bolsos recheados de amostras.
Ken Kesey
Ken Kesey
Era um grupo de foras-da-lei, mas não como criminosos, mais como destruidores de paradigma. O LSD e muitos dos outros medicamentos não eram ilegais no início dos 60, mas a sua utilização, especialmente fora de qualquer contexto de investigação ou médico, não era socialmente aceitável. Esses exploradores do espaço interior estavam fazendo pesquisa de campo, explorando com livre acesso a estes medicamentos fora de qualquer controle ou restrição, exceto a autopreservação. Durante estes tempos, quando essas drogas iam abrindo portas por toda a mente,  Kesey e seu grupo usavam psicodélicos enquanto jogavam, cantavam, desenhavam, viam televisão, cozinhavam, comiam, faziam amor, olhando o giro e a dança das estrelas, e perguntando em voz alta todos os tipos de perguntas que suas experiências traziam:
  • Quem somos nós, realmente?
  • É a alma, mortal ou imortal?
  • O que Blake, Van Gogh ou Platão realmente experimentaram?
  • É a minha identidade dentro do meu corpo ou será que se interpenetram o meu corpo e seu?
  • O que é comum à minha mente e à árvore pau-brasil mais próxima?
  • Tempo e espaço são subjetivos?
  • O que foi corrigido? O que mudou?
  • O que permaneceu constante de sessão para sessão (isto é, o que foi lembrado)?
  • O que aconteceu em um grupo onde todas as mentes se abriram, francamente ligadas, e aparentemente em comunicação telepática com o outro? Quando alguém em tal grupo fica aterrorizado, não é o resto do grupo sugado para essa onda ruim? Ou pode o peso combinado das outras mentes trazer de volta aquele que caiu?
quadrinho
Estas e outras questões estiveram no centro da experiência do grupo de Kesey. Não foras da lei, mas fora das linhas. Melhor pensar neles não como os ícones culturais que eventualmente se tornaram, mas como pessoas que tinham transcendido as limitações das leis e desenvolviam furiosamente um conjunto maior de leis para trazer ordem à sua própria esfera maior de comportamento e experiência. Isso soa filosófico e era, mas também tinha todo o imediatismo cru de colocar o seu braço ao redor da garganta de um afogado para que ele ou ela não entre em pânico, e te arraste para debaixo d’água, matando os dois.
Para mim, um momento crítico aconteceu a uma manhã à beira do lixão da cidade Pescadero. Pescadero é uma pequena cidade a duas milhas da costa da Califórnia cerca de 15 quilômetros de Stanford. O lixão é uma encosta, cuja base estava cheia, mas o topo e as laterais foram cobertas com trepadeiras ostentando pequenas manchas de flores silvestres. Numa madrugada Eu fui lá com Ken Kesey e sua namorada na época, Dorothy, uma mulher que se tornaria mais tarde a minha esposa (após 40 anos de casamento, pensamos que provavelmente deve durar). Na noite anterior, ela tinha tomado LSD (“tinha dropado ácido”, para dizer na forma como foi) e estava em um estado de admiração encantado com as descobertas pessoais que ela estava fazendo sobre sua própria consciência e como ela formava e reformulava seu mundo. Ken tinha nos levado para Pescadero, porque era um lugar maravilhoso para assistir ao amanhecer. É correto dizer que ele levou Dorothy lá, mas porque eu vinha guiando-a através de partes da noite, ela me queria por perto.
Eu não estava no círculo interno do mundo de Kesey. Eu era muito certinho e muito indisposto a tomar medicamentos com qualquer um. Nenhuma das mulheres no grupo estava interessada em mim, e eu não tinha muito em comum com qualquer um dos homens. No entanto, como eu trabalhava com LSD durante o dia e legalmente, eu era bem-vindo como um ornamento estranho; como alguém pra se ter por perto que treinava tigres ou mastigava vidro quebrado.
Dorothy lembrou que o momento decisivo quando o amanhecer veio, ela estava prestes a pisar em uma pequena flor. Em vez disso, ela se deitou no caminho e olhou para a flor. Sugeri que ela deixasse a flor fazer a comunicação. Eis que ela viu – não pensou ou contemplou, mas viu, tal era o poder curioso do LSD – a flor se abrir totalmente para cima, ir através do seu ciclo e murchar, mas ela também assistiu a flor reverter esse mesmo fluxo, se recuperando de seu estado seco, reflorescendo e voltando a ser um broto. Ela podia vê-lo ir em ambas as direções, para frente e para trás no tempo, dançando seu próprio nascimento e sua própria morte. Quando ela disse o que estava vendo, eu confirmei que sua experiência foi como os outros tinham compartilhado. Aliviada, ela voltou para sua contemplação da planta.

E quanto a minha pesquisa legal? Como foi a experiência de fazer investigação legal de drogas? Desde os anos sessenta, na maioria dos campi universitários, não é difícil encontrar uma droga psicodélica, tomá-la, ter um passeio selvagem, e se perguntar sobre tudo. Ministrar às pessoas em um ambiente tão favorável que 80% dos nossos participantes relataram que era o evento mais importante de suas vidas, ah, isso era um tempo diferente. Por mais de dois anos, enquanto os experimentos foram acontecendo, eu escapava das aulas de Stanford quando eu podia e sentava-me com as pessoas que estavam tendo sua introdução aos psicodélicos e, através dos psicodélicos, a outros níveis de consciência, e talvez a outros níveis da realidade.
Ela olhou para o Ken – bonito, robusto, talentoso, um líder natural, possuidor de uma enorme energia e poder. Também casado. Ken tinha dois filhos; ele estava totalmente comprometido com o casamento mas também a tê-lo aberto a outros parceiros. Dorothy olhou para mim. Eu estava comprometido, mas minha noiva estava a 6000 km de distância, na Escócia. O que ela viu foi que eu parecia muito experiente, confortável até, sobre o seu mundo interior recém-descoberto. A partir do momento do encontro com a flor, seu giroscópio começou a girar para longe de Ken e voltar-se para mim. Nosso namoro e casamento não acontecem neste momento do tempo, mas como se pode traçar um rio de volta para uma pequena nascente que vem de uma fenda na rocha em uma montanha, as nossas três vidas mudaram naquele dia através das lições que surgiram a partir do encontro de Dorothy com uma única flor.
Uma vez que eu era geralmente apresentado como “um estudante de graduação que estará conosco hoje”, eu não era o principal responsável pela realização da sessão. Eu era um colaborador e podia observar, por vezes, ajudar, e às vezes gravar o que as pessoas relatavam sobre como eles passavam os acontecimentos do dia. Às vezes eu só iria aparecer no final da tarde, e levava uma pessoa para a casa à noite. Descobrimos que, enquanto os efeitos do LSD iam desaparecendo depois de 8 horas, a capacidade recém-descoberta de uma pessoa para entrar e sair de diferentes realidades ia diminuindo, mas não paravam até que o participante estivesse cansado demais para ficar acordado. Eu sempre tive o prazer de estar com as pessoas enquanto elas se intrigavam com os grandes eventos ou insights do dia. Eu também ajudei a lidar com suas famílias, que geralmente ficavam confusas sobre combinação de contos de experiências interiores bizarras e a sensação de estar com alguém, um marido ou uma esposa, que era tão completamente abertx, amável e cuidadosx, que muitas vezes trouxe o cônjuge às lágrimas de alegria.
Por dia, em meus estudos de pós-graduação, eu estava sendo ensinado uma psicologia que me pareceu cobrir apenas um pequeno fragmento da mente. Eu me senti como se eu estivesse estudando física com professores que não tinham idéia de que a eletricidade, a energia atômica e a televisão existiam. Eu ouviria, tomaria notas, faria perguntas apropriadas e tentaria aparecer como se eu não estivesse aturdido pelos pequenos aperitivos que meus instrutores pareciam assumir que eram o conjunto da maçã do conhecimento. À noite, depois de ter concluído os meus trabalhos de escola, eu lia livros que me ajudaram a juntar as peças do mundo maior para o qual eu tinha sido aberto: “O livro tibetano dos mortos”, o “I Ching”, as obras de William Blake, ensinamentos místicos cristãos e budistas, especialmente aqueles dos mestres zen cujo clareza direta e cortante era maravilhosamente refrescante. Eu também lutei com textos tibetanos que eram difíceis de compreender, mas é evidente que tinham sido escritos por pessoas que sabiam sobre o que eu estava descobrindo. Eu sentaria e leria os livros envolvidos em outras capas, como alguém já envolveu quadrinhos sujos na revista Look no colégio, para ocultar as imagens de mulheres de seios grandes da vista dos professores.
dc1824981e1f09116c91e8590d26f6a1_viewQuando eu não conseguia mais acompanhar os textos eu me sentava, de pernas cruzadas, no chão de linóleo do meu “escritório” de estudante da pós-graduação, que estava em um trailer temporariamente transformado em sala de aula. O espaço era ainda menor do que o meu quarto em Paris. Eu olhava pela porta de correr de vidro para um pequeno pinheiro plantado para negar o fato de que estávamos em um trailer temporário no meio de um grande estacionamento. Gostaria de respirar e olhar, respirar e olhar até que a árvore começasse a respirar comigo. Ela não se movia nem balançava, mas começaria a brilhar com uma iluminação invisível o fato de que estava extremamente viva. Ela iria crescer e encolher diante dos meus olhos, um movimento muito pequeno, mas que lembra a flor no lixão de Pescadero. Eu me sintonizava com essa árvore até que sentia equilibrado novamente e, em seguida, ir para casa dormir.
Um momento de Reflexão
Poucos meses depois que nós terminamos nosso programa de investigação, a Califórnia aprovou uma lei declarando a posse, ou distribuição de LSD um crime. A política federal a respeito do LSD foi posteriormente consolidada com a promulgação da Prevenção ao Abuso de Drogas e A Lei de Controle (Control Act) de 1970.
Por que a nossa pesquisa com drogas assustou tão profundamente as instituições? Por que ela ainda as assustá? Talvez, porque fomos capazes de descer (ou de sermos atirados para fora) da esteira de coisas cotidianas e ver todo o sistema de morte e vida. Dissemos que tínhamos descoberto que o amor é a energia fundamental do universo e nós não íamos calar a boca sobre isso.
O cristianismo, por exemplo, diz que “vem ao Pai através de mim, e sereis perdoados de os pecados (mesmo aqueles que você não tinha cometido) e será amado sem reservas.” GRÁTIS. GRÁTIS. GRÁTIS (como se isso por si só não fizesse você olhar por baixo para ver onde o preço está escondido).
Depois de ter declarado a si mesmo como um cristão, no entanto, você encontra as autoridades da Igreja dizendo que o preço real de sermos perdoados inclui admitir que você não é apenas indigno, mas você é muito, muito indigno e não há nenhuma forma de você chegar a digno da sua própria maneira.
O que descobrimos foi que o amor está lá, o perdão é lá, e a compreensão e compaixão estão lá. Mas como a água de um peixe ou ar para o pássaro, eles estão lá, em todo lugar e sem nenhum esforço de nossa parte. Não há necessidade do Pai, do Filho, do Buda, dos santos, da Torá, dos livros, dos sinos, das velas, dos sacerdotes, dos rituais, ou mesmo da sabedoria. Apenas está lá – tão difuso e sem fim que é impossível ver, enquanto você estiver no mundo menor de pessoas separadas umas das outras… Não é de se admirar que a iluminação seja sempre um crime.
lucid-dreaming-cheat-sheet

James Fadiman Ph.D é psicólogo e escritor. Conhecido pelo seu extenso trabalho no campo da pesquisa psicodélica. É co-fundador junto com Robert Frager, do Instituto de Psicologia Transpssoal que mais tarde se tornaria Universidade de Sofia (California). Fadiman nasceu em Los Angeles e viveu em Westwood. É autor dos livros:
  • jimfadimanThe Psychedelic Explorer’s Guide: Safe, Therapeutic, and Sacred Journeys Paperback (2011)
  • Be Love Now (com Rameshwar Das) (2010)
  • Personality and Personal Growth (7th Edition) (with Robert Frager) (2012)
  • The Other Side of Haight: A Novel (2004)
  • Essential Sufism (1998) Castle Books
  • Unlimit Your Life: Setting and Getting Goals (1989)
  • Motivation and Personality (with Robert Frager and Abraham Harold Maslow) (1987)
  • Transpersonal Education: A Curriculum for Feeling and Being (1976)
dany3l
Fonte:http://mundocogumelo.com/2015/02/07/abrindo-portas-da-percepcao-james-fadiman/

Postagens mais visitadas deste blog

TEONANÁCATL - COGUMELO SAGRADO,A CARNE DOS DEUSES

TIPOS DE TRANSE : COMPREENDENDO OS ESTADOS ALTERADOS DE CONSCIÊNCIA

AYAHUASCA,O CHÁ DO SANTO DAIME : CHÁ SAGRADO OU DROGA ALUCINÓGENA ?